Novo Breitling Navitimer Rattrapante

A Breitling reafirma o seu soberano domínio do cronógrafo, desvendando o seu próprio movimento de cronógrafo, dotado do ponteiro «rattrapant» – uma das complicações relojoeiras mais sofisticadas.

Desenvolvido dentro do espírito dos instrumentos para profissionais, este Calibre manufacturado B03 (que é objeto de duas patentes) distingue-se pela sua construção inovadora, assegurando o máximo de precisão, robustez e fiabilidade. A fim de apresentar este importante avanço técnico, a Breitling escolheu o seu modelo mais emblemático, o célebre Navitimer, declinado em aço ou ouro, com um mostrador exclusivo bronze.

Raras são as marcas relojoeiras a possuir os seus próprios movimentos de cronógrafos mecânicos. Mais raras ainda são aquelas a propor igualmente um movimento manufacturado Breitling dotado do ponteiro «rattrapant», verdadeiramente concebido e fabricado internamente.

Ao lançar o Calibre manufacturado B03, cronómetro oficialmente certificado (COSC), a Breitling confirma novamente o seu lugar de líder, na área do cronógrafo mecânico, e o seu papel crucial, no desenvolvimento deste tipo de instrumentos, marcado nomeadamente pela invenção do primeiro pistão independente, situado às 2h (1915), do segundo pistão independente (1934) e do primeiro cronógrafo de corda automática (1969).

Uma epopeia na qual se inscreve o famoso Duograph de 1944, um dos grandes clássicos Breitling, equipado com um movimento de cronógrafo extraplano, dotado do ponteiro «rattrapant», muito procurado pelos coleccionadores.

Com os seus dois ponteiros centrais de cronógrafo sobrepostos, um dos quais pode ser parado para medir um tempo intermédio, antes de tornar a alcançar a dianteira em plena corrida, o cronógrafo dotado do ponteiro «rattrapant» passa por um dos mecanismos relojoeiros mais difíceis de conceber.

É por este motivo que esta «grande complicação» é geralmente produzida em pequenas séries e exige dos relojoeiros um longo trabalho de ajustamento e regulação (aperfeiçoamento da folga da peça móvel do ponteiro «rattrapant», adaptação da tensão das molas, regulação da penetração das pinças, etc.).
Ao desenvolver o seu próprio movimento de cronógrafo, dotado do ponteiro «rattrapant», a Breitling lançou um olhar inovador sobre este mecanismo de excepção.

Fiel à sua filosofia dos «instrumentos para profissionais», o especialista em relógios técnicos destacou a robustez, a precisão e a fiabilidade, a grande escala. «A qualidade em série», como já dizia um slogan Breitling dos anos 1940. O objectivo consistia em conceber um sistema que proporcionasse excelentes performances, com o mínimo de componentes, e que permitisse eliminar o longo processo de ajustamento. Em poucas palavras, encontrar uma solução simples e eficaz para um problema complicado – o que necessitou de vários anos de pesquisas e testes.

MECANISMOS REVISITADOS

O grande desafio, para os criativos de um movimento de cronógrafo, dotado do ponteiro «rattrapant», situa-se ao nível da energia. As paragens e os novos accionamentos do ponteiro «rattrapant» implicam, de facto, necessidades variáveis de energia que podem prejudicar a precisão cronométrica e reduzir a reserva de marcha do relógio.

Um dos meios para colmatar este inconveniente consiste em dotar o movimento de um sistema de isolamento, permitindo soltar o ponteiro «rattrapant», quando ele parar. Foi esta abordagem que a Breitling escolheu. Mas os engenheiros e os relojoeiros da marca revisitaram a construção do ponteiro «rattrapant», a fim de alcançar a solução mais fiável e mais eficiente. Deste modo, eles desenvolveram duas inovações que foram objecto de patentes. O primeiro avanço está relacionado com o mecanismo de isolamento. A peça, que acciona a alavanca do ponteiro «rattrapant», apresenta-se normalmente como um perno cilíndrico – um órgão complexo de fabricar abaixo de um certo diâmetro. A Breitling substituiu este perno por uma peça embutida, permitindo obter uma geometria mais fina, associada a uma maior robustez.

Graças a este sistema de isolamento, a utilização do ponteiro «rattrapant» não tem nenhum impacto na precisão da cronometragem nem na reserva de marcha. A segunda inovação ocorre ao nível do mecanismo de paragem do ponteiro «rattrapant». Os relojoeiros utilizam tradicionalmente uma roda (lisa ou dotada de dentes muito finos) que é apertada por uma pinça. Um sistema complicado de produzir e que pode implicar uma certa imprecisão. Inspirando-se nos travões de bicicleta, com patins em caoutchouc, os engenheiros da Breitling tiveram a ideia de rodear a roda com um anel vedante que é comprimido pela pinça. Resultado: paragens com extrema precisão e um sistema mais simples de fabricar, portanto, mais fiável.

UMA ARQUITETURA INTELIGENTE

Para desenvolver o seu Calibre de cronógrafo automático B03, dotado do ponteiro «rattrapant», a Breitling baseou-se no seu Calibre manufacturado 01, uma plataforma inteligente que já permitiu a adição de outras funções úteis, tais como um segundo fuso horário ou uma hora universal, dotada de um conforto de manuseio inigualável.

O B03 retoma, deste modo, todas as vantagens deste motor de altas performances, incluindo uma reserva de marcha de 70 horas (garantia de uma melhor regularidade da marcha) e uma inovadora arquitectura estilo modular. O mecanismo do ponteiro «rattrapant» conta apenas com 28 componentes. O reagrupamento da parte essencial destas peças, num módulo inserido entre a platina e o mecanismo do calendário, permite simplificar não só o fabrico e a montagem, mas também a manutenção – podendo o relojoeiro retirar o módulo de um bloco em todas as intervenções de revisão.

Tal como todos os movimentos Breitling, o Calibre manufacturado B03 é um cronómetro certificado pelo COSC (Controlo Oficial Suíço dos Cronómetros) – a única referência, em matéria de precisão e fiabilidade, baseada numa norma internacional.

NAVITIMER RATTRAPANTE: NO ÂMAGO DA PROEZA

A fim de homenagear o seu novo motor de excepção, a Breitling escolheu o seu famoso Navitimer, o mais antigo cronógrafo mecânico ainda em produção no mundo (1952). Dotado de uma caixa de 45 mm, o Navitimer Rattrapante é proposto em aço, assim como numa edição limitada de 250 peças em ouro vermelho (equipadas com um fundo transparente).

Os dois relógios distinguem-se pelo seu mostrador exclusivo bronze, no qual se destacam os contadores e um relevo prata, evocando o look do Navitimer clássico. Detalhe muito refinado: o logotipo, dotado do B com a âncora, ornando normalmente a base dos ponteiros do cronógrafo do Navitimer, está aqui dividido entre os dois ponteiros dos segundos – com o B no ponteiro vermelho do cronógrafo e a âncora no ponteiro «rattrapant»; os dois elementos serão, portanto, separados, quando o ponteiro «rattrapant» parar, antes de formarem novamente a assinatura da marca, quando os ponteiros forem sobrepostos.

O pistão do ponteiro «rattrapant», alojado na coroa situada às 3h, permite parar e colocar novamente em marcha o ponteiro «rattrapant», tantas vezes quantas forem pretendidas, durante uma cronometragem – para medir os tempos intermédios ou confrontar os resultados de vários concorrentes. O topo do cronógrafo mecânico num relógio lendário.